Posts Tagged ‘AntiSocial’

– when survival a day is enough –

Ontem foi um dos piores dias de crise de ansiedade. Eu estava com o dia planejado, não estava muito motivada, mas ok, seria um dia interessante, cumprindo algumas atividades, iniciando com o ato em defesa da educação e seguindo para alguns materiais do projeto que eu precisava finalizar. Acordei um pouco preguicenta, tomei café e fui para o banho pois já era hora de ir para o ato. Saindo do banho, o primeiro desafio do dia: me sentir ok com a roupa que escolhi sair…mais do que uma escolha, foi uma única opção…entre os efeitos do dienogeste (hormônio para controle da endometriose que comecei a tomar no último mês) está o inchaço do corpo, assim, de um dia para outro, todas as roupas param de servir ou apertam. Passados alguns minutos no ato de me convencer de que a bermuda de moletom estava ok, quando estava prestes a sair, desabou uma chuvarada. Pensei que seria uma chuva breve, mas ela persistiu forte, por quase 2 horas. Neste tempo, minha ansiedade aumentou pois queria muito ter participado do ato em defesa da educação e não conseguia aceitar que não tinha como sair. Ver as postagens em redes sociais das pessoas que foram no ato causou um efeito pior em mim, algo como uma derrota por eu não ter conseguido estar fisicamente presente na manifestação. Sei que este sentimento de derrota é estúpido e não condiz com a grandiosidade da luta e que meus ideias contam mais que minha presença física, mas quando estamos psicologicamente vulneráveis qualquer coisa estranha e estúpida nos atinge de uma forma inesperada e devastadora. A questão é que, em função da minha ansiedade, o fato de não ter cumprido a primeira tarefa agendada para meu dia causou um efeito bloqueador no resto das minhas ações, e eu não consegui evitar isso. Deveria ter conseguido contornar, mesmo me dizendo várias vezes para pensar no próximo passo e seguir minha agenda. Nada! Minha mente bloqueou. Não consegui conectar duas frases copiadas de um outro material para fechar um parágrafo da introdução do livro (uma das tarefas que tinha agendada era reescrever a primeira parte do texto de introdução do livro 1 do projeto). Não consegui fazer nada do dito “ser produtivo” profissionalmente. Neste momento conheci uma nova “modinha”: Niksen – “a stress-reducing practice from the Netherlands that literally means to do nothing, or to be idle.” (via https://www.nytimes.com/2019/04/29/smarter-living/the-case-for-doing-nothing.html) e usei para tentar controlar minha ansiedade durante o dia. Usei um combo de materiais que me deixam confortável para exercitar o controle da ansiedade:

Técnicas pra controle / dificuldades do controle:

Headphone e atenção exclusiva ao material sendo reproduzido. Exercitar a atenção exclusiva ao material sendo reproduzido foi tranquilo, pois o desafio principal foi aceitar que eu estava num momento confortável e familiar com o conteúdo que estava vivenciando sem pensar no próximo passo. Ficar no presente e aproveitar ao máximo o  presente sem me preocupar com o futuro. Em vários momentos minha mente escapava tentando buscar o que fazer a seguir e sentia esta angústia do próximo passo danosa. Assim, tentava voltar ao presente e me concentrar na linha da música ou cena do filme. Com isso consegui diminuir um pouco dos efeitos nocivos da ansiedade em 4 – 5 horas do meu dia, tentando mantê-la sob controle. Considerei uma vitória, mesmo que eu não tenha conseguido reverter a situação e ser produtiva…as vezes a fase do controle é demorada e é tão vulnerável que não pode ser subestimada.

Quando acordei hoje, percebi que ainda não estou pronta para o próximo passo. Apesar disso, enxergo um avanço muito pequeno, mas que está lá.  Tinha uma reunião agendada, mas acordei com enxaqueca. Mais do que a intolerância à claridade, uma certeza de que não conseguiria tolerar a interação social. Avisei que não iria na reunião e dormi mais algumas horas, em escuro total. O pequeno passo que me referi é que tentarei fechar alguns textos sem a resistência e o bloqueio de ontem. Espero conseguir. A distância do universo conectado (virtual e presencial) parece menos incômodo hoje. Acredito que isso tem a ver com o exercício de controle da ansiedade.

Enfim, estes dias continuam difíceis, doloridos. Acho que o dienogeste tem amplificado minha ansiedade e estou tentando lidar com minhas reações físicas e psicológicas de maneira respeitosa. One more day.

Advertisements

“O primeiro deles, articulado por Hobbes, minuciosamente elaborado por Durkheim e transformado em pressuposto tácito incorporado ao senso comum da filosofia e da ciência social por volta da metade do século XX, apresentava a coerção societária e as restrições impostas pela regulação normativa à liberdade individual como um meio necessário, inevitável e, no final das contas, salutar e benéfico de proteger o convívio humano da ‘guerra de todos contra todos’, e os indivíduos de uma vida ‘desagradável, brutal e curta’. O fim da coerção social administrada pelas autoridades, diziam os defensores desse argumento (se esse fim fosse de todo viável ou mesmo imaginável), não iria libertar os indivíduos. Pelo contrário, só os tornaria incapazes de resistir aos mórbidos estímulos de seus próprios instintos anti-sociais. Iriam se tornar vítimas de uma escravidão muito mais horripilante do que a que poderia ser produzida por todas as pressões das duras realidades sociais. Freud apresentaria a coerção socialmente exercida e a resultante limitação das liberdades individuais como a própria essência da civilização: civilização sem coerção seria algo impensável, devido ao ‘princípio do prazer’ (tal como o estímulo a procurar satisfação sexual ou a inclinação inata dos seres humanos à preguiça), que guiaria a conduta individual para a terra desolada da não-sociabilidade, se não fosse restringido, limitado e contrabalançado pelo ‘princípio da realidade’, ajudado pelo poder e operado pela autoridade.”
[Vida para Consumo] Zigmunt Bauman (2008 BR: 114-115 / 2007 EN)

Esse trecho caiu no meio das minhas reflexões de encerramento do ano que morei na Holanda, e, talvez, na tentativa de achar respostas que me convençam sobre o que vale a pena a volta ao Brasil. A coerção social que move a civilizada sociedade holandesa é a produção de indivíduos ativos. Não há desculpas para a inabilidade social, nem que ela seja uma escolha. Há um esforço camuflado que funciona em forma de coerção social para que os indivíduos sejam engajados na sociedade, ao passo que, no Brasil, esses indivíduos são apenas ignorados. E, neste ponto, olhando simplesmente este aspecto, considero que a liberdade individual no Brasil é infinitamente superior ao civilizado mundo social holandês.

[Quanto vale a liberdade?] Cólera (1998)