Posts Tagged ‘Empty’

Pensava que fazia mais tempo desde a última vez que postei, mas hoje vi que são 3 meses apenas. Porém, 3 meses difíceis. Fiz uma mudança grande e tinha realmente expectativas de que sair de Campos e voltar para Pelotas, para próximo da família, tudo ficaria bem. Me enganei. Nestes 3 meses, tive gargalhadas sinceras e sorrisos suaves, mas as crises de ansiedade não se foram. O dia a dia sem vontade, sem perspectiva futura que me empolgue, vai me consumindo, destruindo pedacinho a pedacinho e eu vou intoxicando quem não merece. Magoo minha mãe com a rispidez das minhas respostas, por impaciência de convívio humano. Magoo minha namorada, com crises sentimentais e de ciúmes, coisas que eu sempre desprezei. Ao mesmo tempo, tive que admitir que eu precisava dela, pois estava com medo de ficar sozinha e não conseguia tolerar a presença de ninguém. Eu detesto ser dependente. E tive que pedir isso em um dia que ela estava com tantas outras boas energias de uma vida nova começando, pré primeiro dia de trabalho. Eu não pediria se eu não precisasse muito. Foi num domingo em que fiz uma prova de corrida de rua…ultimamente nem a corrida tem liberado alguma serotonina capaz de amenizar minha ansiedade e sintomas depressivos. Sei também que o hormônio para combater a endometriose pode ter culpa desse magnetismo de fundo de poço e no último mês já não tem eliminado totalmente minhas cólicas, tampouco segurado a menstruação, tem acontecido alguns escapes. Hoje a Pat me disse que eu tinha que pensar caminhos a seguir, tomar decisões, mesmo que baby steps…eu ouvi ela falando e não conseguia pensar nenhuma decisão, mas agora refletindo, acho que meu baby step será parar com o Alurax. Eu preciso sair deste vórtex que me consome, me machuca, e me faz machucar as pessoas que eu gosto.

(one more time, thank you brainpickings for the great tip!)

“You can be lonely anywhere, but there is a particular flavour to the loneliness that comes from living in a city, surrounded by millions of people.”

[The Lonely City] Olivia Laing (2016)

“There’s just this for consolation: an hour here or there when our lives seem, against all odds and expectations, to burst open and give us everything we’ve ever imagined, though everyone but children (and perhaps even they) know these hours will inevitably be followed by others, far darker and more difficult.” (p. 225)

[The Hours] Michael Cunningham (1998)

[Routine] Julien Douvier (2013)

Alan Watts on Death, animated short film

[Play for Today morningselfie] Luceni Hellebrandt (2015)

“Did it matter, then, she asked herself, walking toward Bond Street. Did it matter that she must inevitably cease, completely. All this must go on without her. Did she resent it? Or did it not become consoling to believe that death ended absolutely? It is possible to die. It is possible to die.”

[The Hours] Michael Cunningham (1998)