Posts Tagged ‘Experience’

Acabei de assistir o episódio final de Sense8.

Assisti com certa tristeza pelo cancelamento do seriado, mas não pude evitar alguns pensamentos… com certeza foi o seriado mais queer de audiência acessível que assisti nos últimos tempos.

Penso em como a menos de 2 décadas algo do universo lgbtq era bem mais restrito…

Sempre lembro e faço questão de pontuar como um avanço incrível aconteceu a partir dos anos 2000. Antes disso, tudo era bem mais difícil de acessar, em circuitos bem restritos.

Com Queer As Folk (versão USA 2000 – 2005) e The L Word (2004 – 2009) a tv cumpriu um de seus papéis sociais e naturalizou na tela os sentimentos de tanta gente ao redor do mundo, incluindo os meus, colocando em tela que é ok ser quem você é e gostar de quem(s) você gosta, independente do sexo e/ou gênero da(s) pessoa(s).

Incrível poder chegar num momento em que um seriado como Sense8 coloca tantas possibilidades de relacionamentos afetivos. ❤

Sense8 dá uma sensação de leveza e de esperança… de que é possível!!! (apesar de todo o retrocesso e intolerância que vivenciamos atualmente).

movement-builds-to-renew-sense8-750

(from: https://www.advocate.com/television/2017/6/01/fans-petition-netflix-bring-back-sense8-its-not-just-tv-show)

Advertisements

(one more time, thank you brainpickings for the great tip!)

“You can be lonely anywhere, but there is a particular flavour to the loneliness that comes from living in a city, surrounded by millions of people.”

[The Lonely City] Olivia Laing (2016)

“There’s just this for consolation: an hour here or there when our lives seem, against all odds and expectations, to burst open and give us everything we’ve ever imagined, though everyone but children (and perhaps even they) know these hours will inevitably be followed by others, far darker and more difficult.” (p. 225)

[The Hours] Michael Cunningham (1998)

– a promessa da felicidade está numa lembrança do passado –

lost paradise_fev2014

[lost paradise] Luceni Hellebrandt (MVD fev 2014)

FullSizeRender-1FullSizeRender

[domingo] Luceni Hellebrandt (2017)

– tempos, ciclos, fatos, altos, baixos, continuidade –

Domingo, final de manhã, com uma pontinha de ressaca. Hoje completa 1 mês que estou morando nessa cidade. É uma sequência de fatos que encaminha a vida em uma certa direção, cheia de novos desafios nos quais sempre tento lembrar das pausas para respirar e refletir. Até pouco tempo eu praticamente não havia ouvido falar em Campos dos Goytacazes. Quando surgiu uma possibilidade de mudar minha vida pra cá, as primeiras buscas na internet me desestimularam. Mais uma vez sair do conhecido, do familiar e me jogar numa realidade cultural diferente, lidando com pessoas que eu nunca havia imaginado conhecer e que tinham certa expectativa nas minhas habilidades – expectativas que eu mesma duvido, além do calor. As coisas mudam rapidamente e nosso foco gira 180 graus, de acordo com uma sequência de fatos, mas ainda assim é rápido. Há pouco menos de 6 meses escrevi o post desabafo sobre a prisão que a tese me representava, foi um tempo penoso e fazendo uma análise realista comparativa com o momento atual, posso dizer que estou no “alto” dos “altos e baixos” do processo de “viver”. Saber disso, no entanto, me deixa um pouco apreensiva…a vida é cíclica, logo, o próximo momento tende a ser um “baixo”. Contudo, aprendi ao longo dos anos a valorizar as fases “alto”, tentando desfruta-las ao máximo. Talvez esta reflexão sobre a roda da vida me faça hoje desconsiderar todas as informações desestimulantes sobre a cidade e focar no que está como eu quis. No dia em que escrevi o post desesperado sobre a tese busquei uma alternativa química. Passei a tomar nootropil, um nootrópico vendido livremente em farmácias, “recomendação” de outras pessoas que compartilhavam da minha angústia num grupo de bolsistas no facebook. Eu nunca cheguei a acreditar que o conjunto de produtos químicos pudesse de fato resolver o meu problema, mas o efeito placebo já me bastava. Foram 3 meses, até a data da defesa da tese, tomando regularmente a dose mínima recomendada. O resultado do efeito placebo foi que eu defendi a tese. Parei de tomar o remédio naqueles dias mesmo, não senti qualquer diferença de capacidade cognitiva e/ou dependência química, o que me leva a aprovar o remédio que, com seu efeito placebo em mim, cumpriu o esperado. Dali seguiu um período de encerramento de ciclo e início de nova fase, onde tive que tomar uma decisão importante, com um peso grande. Tinha que decidir entre trabalhar próximo de casa, do familiar que aprendi a valorizar durante meu período na Holanda, ou me lançar na aventura solitária de trabalhar em Campos. O caos e o desafio sempre me foram mais apelativos e agora aqui estou, completando 1 mês como “campista”. O trabalho está acontecendo como o esperado, o local onde eu moro me agrada, o estilo de vida que estou levando é o “modelo instagram” – morar no centro, ter cafeteria / café bom, uma bike bacana, uma rotina que me permite manter minhas atividades físicas e estimula a produzir academicamente. Este é um “alto” que estou valorizando mesmo, merece ser valorizado, também porque batalhei para chegar neste alto. Contudo, ainda que do “alto”, percebo que há “baixos” bem profundos ao redor. A incerteza sobre a bolsa do projeto é a que mais me afeta diretamente. No ambiente geral, a tragédia com o filho dos coordenadores do projeto deixa a todxs impactadxs e reflexivxs. Pensar sobre morte e brevidade da vida não é algo muito estranho para mim. Porém esta familiaridade em nenhum momento torna o subject banal. Ao contrário. Provavelmente reforce meu olhar e minha atitude de valorizar o “alto” e perceber a iminente presença do “baixo”. Enfim, 1 mês com diversos acontecimentos desencadeados por um período maior, de 6 meses (na verdade, muito mais). Talvez eu volte a fazer esta reflexão em um próximo momento, esperançosamente ainda estando no alto, embora uma precaução apreensiva sempre acompanhe meu cotidiano.

Bellow there is some quotes from Eric G. Wilson’s book “Agains Happiness: in praise of melancholy” (2008 – Sarah Crichton Books / 1st paperback edition in 2009):

“That’d finally it; happy types ultimately don’t live their own liver at all. They follow some prefabricated script, some ton-step plan for bliss or some stairway to heaven.” (p. 28)

“Once we accept these seasons of mental water as inevitable parts of our life – indeed, once we affirm them as essential elements of existence – then the paradox comes truly alive. We actually feel, in the midst of our sorrow, something akin to joy. […] We die into life.” (p. 37)

“[…] the sense that chaos is the original power of the universe, an indifferent reservoir out of which pairs of opposites arise.” (p. 49)

“Ever since the fifth century B.C., people had feared the most sinister of the four humors: melancholia, or black bile. In classical Greece, physicians like Hippocrates believes that the body was composed of four humors. These were cholera, phlegm, blood, and, of course, melancholia. According to the ancient theory, these humors dictated dispositions. A chronically irascible man suffered from much cholera. A tranquil individual possessed an overload of phlegm. A vigorous soul enjoyed a good quantity of blood. And a morose person was beset by a predominance of black bile.

This melancholy person was open to the most pernicious evils. He could turn misanthropic, fearful, despondent, nervous, or mad.” (p. 70)

“[…] the durable melancholia reveals the secret of joy while ecstasy unveils the core of gloom. Sensing this interdependence, we feel ready to move this way or that, light on our feet, untroubled by a desire to grasp that side or this. We can play in the middle.” (p. 84)

“[…]’chase away the demons, and they will take the angels with them.’” (p. 99)

“Indeed, you can experience beauty only when you have a melancholy foreboding that all things in this world will die. The transience of an object makes it beautiful, and its transience is manifested in its fault lines, its expressions of decrepitude. To go in fear of death is to forgo beauty for prettiness, that flaccid rebellion against corrosion. To walk with death in your head is to open the heart to peerless flashes of fire.” (p. 115)

“[…] Without melancholia, the earth would likely freeze into a fixed state, as predictable as metal. Only with the help of constant sorrow can this dying world be changes, enlivened, pushed to the new.” (p. 145)

Against Happiness