Posts Tagged ‘fashion’

[subculture] –

we look the same/we talk the same/we are the same/we are the same

screen-shot-2017-02-21-at-10-08-18

more:

Exactitudes

Advertisements

O processo dolorido da Tese

Caos – desespero – estou atrasada para entregar minha Tese e cada minuto que passa, além do desespero aumentar, parece que estou andando na direção contrária.

Não quero mais saber do tema. Não tenho a mínima vontade. Pior que não sei se é só o tema. To com preguiça intelectual. Não quero pensar mais, nem ter que carregar a culpa de escrever, como se essa escrita, quando (se for) publicada, fosse uma verdade da qual eu jamais poderei discordar.

Dia após dia, tentando café, tentando corrida, tentando nadar, usando estes e outros artifícios para tentar voltar ao texto, forçar um foco. E tudo se dissipa.

Não consigo conectar nada. E já nem tenho tanto medo assim de me dar por vencida. De jogar tudo pro alto, dizendo foda-se. Na verdade, to escassa do sentir. Meu cérebro esgotado, mal consegue juntar duas sílabas para formar uma palavra. E, mesmo com tudo isso, só consigo reagir com um foda-se. To escassa do sentir.

Eventualmente, vai passar. Passo a passo, dia a dia, o texto vai surgir. (Será?) Lentamente, e fraco. Vai surgir. Preciso repetir como mantra, um spell, no desejo que se torne real e esta tortura acabe. Não é a primeira vez que o vazio toma conta de mim, justamente quando deveria estar cheia de palavras, para despejá-las sobre o texto, sobre a Tese. Mas não estou.

Tento todos os subterfúgios. Textos diferentes, livros divertidos, programas babacas na TV, seriados teen, interação com outros humanos – esta foi um erro, sempre me esgota -, ressacas gigantescas, pedaladas, piscina, exaustão física, mato, comida. Minha mente não renova. Meu cérebro não reseta. Tá quebrado. Todas as dicas válidas para outrem, para mim de nada adianta. Sleep deprivation, esta nunca falha – até esta falhou. E quando durmo – 2, 6, 10 horas – não faz diferença, acordo como se não tivesse pregado o olho.

Não é o caso de “você precisa desligar um pouco da Tese”. É justamente o contrário. Meu cérebro está totalmente desligado e não consigo reconectá-lo. Vou tentar uma volta ao campo, como último recurso, vou acompanhar o festival dia 2, desejando que o contato com o objeto de pesquisa (embora no calor desumano) me acenda alguma faísca e me faça engatar a discussão final e as conexões entre os capítulos.

Repito também, na esperança de motivação, duas afirmações: a de que o tema é importante para as pessoas pesquisadas, e a de que eu sou uma das poucas pessoas que pesquisam isto no Brasil. Estas afirmações deveriam me motivar, mas o combustível não é suficiente, pois elas estão carregadas de uma responsabilidade que me bloqueia ainda mais pelo medo de não corresponder às expectativas. Eu deveria ter feito diferente, com mais afinco, mas não posso enganar a mim mesma, eu não faria diferente. Não sou do tipo motivada e empenhada. Talvez eu tenha sido, em algum momento do passado, e isso me permite reconhecer o quão longe do ideal minha capacidade atual me permite chegar. De certa forma é triste, pois é como falhar comigo mesma. Tento listar os achievements para não ficar tão na bad, e valorizá-los. Foram bons, mas não me bastam. Uma cobrança imposta pela crença de ser especial, alimentada na infância. Uma dura falácia que até hoje eu não lido bem. De qualquer forma, nada disso pode ser usado como desculpa para minha incapacidade de concluir um compromisso que me propus.

É dolorido, e parece que todas as minhas energias são dispersadas em coisas fúteis, tipo este texto desabafo desnecessário (?). Se ao menos toda esta energia fosse unidirecional, focada em escrever um texto coeso, com sentido, conectado, e que apresentasse uma tese válida. Que dolorido processo, saber a teoria e não conseguir praticar.

Não há atalho, eu sei. O caminho é este. Dia após dia. Repetição. Paciência. Rotina (que minha natureza de eterna busca pelo caos não permite estabelecer). Atingir a concentração e produzir. (Believe me, esta é a conclusão motivacional do texto.)

Hannah Marshall carrega como marca estética o preto e branco, traduzido num profundo e lindo trabalho de arte.

Descobri ela através do Instagram, por conta das conexões com Romy (The XX) e Savages. O trabalho dela no Instagram apresenta uma bela composição de posts trípticos, Texto + Video + Foto.

FEATURE. I was asked to be involved in SEINE magazine, an annual print publication exploring women in their creative spaces. Featuring a series of interviews and portraits of influential and successful women in the arts, SEINE explores how the different spaces we inhabit can influence creative practice. “Since touring the world with her girlfriends band, Hannah Marshall left behind a successful career in fashion design and propelled herself into the music industry as a visual artist and creative director. It is apparent, however, that music has always been intrinsic in Marshall’s work. Predominantly known for her all-black aesthetic, she has previously designed bespoke clothing for musicians such as Savages, The xx, Florence Welch and Janet Jackson. With a strong focus on female musicians, Marshall has more recently directed her first music video.” Millie Grace Horton, SEINE magazine. Other women featured include: Annie Leibovitz, Katerina Jebb, Jane Birkin, Tallulah Harlech, Zoe Bedeaux, Alex Box, Antonia Marsh, Tati Compton, Julie Anne Stanzak, Amanda Harlech, Polly Brown, Anna Burns, Jessamine-Bliss Bell, Sarah Kathryn Cleaver, Drake Burnette, Claire Barrow, Rauwanne Northcott and Hannah Martin. Photo: Millie Grace Horton [@milliegracehorton for @seine.magazine] . . . . . #hannahmarshall #hannahmarshallvisualart #visualartist #visualart #creativedirector #blackminimalism #allblack #blackandwhite #monochrome #bw #bnw #womeninmusic #music #livemusic #seinemagazine

A post shared by HANNAH MARSHALL (@hannahmarshall_______) on