Posts Tagged ‘Pain’

– endometriosis life hack –

Hoje é mais um dia daqueles. Um dia difícil, sem ânimo. Dolorido, de mente nublada, pensamentos pouco focados, cansaço e constante desejo de deixar tudo de lado, voltar pra cama, ficar quietinha, dormir. O calor infernal de Campos só piora a situação. Outra coisa que piora é que tudo isso acontece em uma semana com muitos compromissos sociais e na qual deveria ter muita produção a apresentar, mas não tenho… essa ansiedade constante frente ao medo de não dar conta do compromisso piora a situação. O sentimento não é novidade…é só mais um dia daqueles. O que muda agora é que, com o diagnóstico da endometriose, consigo perceber que estes dias acontecem sempre na metade do mês que engloba ovulação – menstruação. Na prática, este novo conhecimento ainda não faz diferença…não sei como diminuir os sintomas e passar pelos dias, cumprindo os compromissos. Mas com esta nova informação penso que talvez eu possa começar a pensar estratégias para qualidade de vida. Lidar com isso, olhando o calendário antes de acatar participar de atividades de trabalho nesta metade do mês. Talvez esta seja uma boa estratégia.

Advertisements

View this post on Instagram

🖤 #morrissey 🖤

A post shared by Luceni Hellebrandt (@hellebrandt) on

[maladjusted]

Há 18 anos atrás uma amiga me levou em um show de um cara que eu não conhecia muito além do nome e de alguns hits…eu não tava preparada para o quanto essa noite, esse show, esse cara iria influenciar minha vida. Quando Morrissey entrou no palco do Opinião (Poa/RS) em fevereiro de 2000, imagino que minha cara deva ter ficado semelhante à da cena de Christiane F., quando ela assiste ao show do Bowie. Devo ter ficado catatônica o show inteiro…lembro da sensação hipnótica e de sair do show com algo diferente. Daquele dia em diante, degustei cada música dos Smiths e Morrissey, achando uma voz para traduzir meus sentimentos…em cada letra, um reconhecimento. A ajuda necessária para sobreviver que só encontramos na arte. Morrissey cantou cada dor que a existência me apresentou e me convenceu rapidinho a parar de comer carne. 18 anos vegetariana…muita gente fica incrédula com este tempo, mas para mim fez todo sentido no momento em que conheci Morrissey e nunca foi difícil.18 anos (e alguns meses), sempre contando com ele nos momentos mais sombrios, nas horas de levantar a cabeça  com o orgulho de assumir minhas escolhas sem me importar com julgamentos alheios, e até dançando sem vergonha…Morrissey me apresentou uma filosofia de vida que me serviu perfeitamente.

Passados estes 18 anos, o sentimento ao revê-lo não tem como ser descrito de outra forma se não o clichê de gratidão. Fiquei muito feliz com o lindo show, com os 90 minutos mágicos, que lavam a alma e reafirmam o myself. Além do momento mágico por si só, uma produção de show impecável, num lugar com acústica e ambientação peculiar para os padrões BR (Fundição Progresso, Rio/RJ) e um setlist que muito me agradou, pois era mais para “next steps” do que para “essentials”. Foi uma experiência necessária para aliviar este ano, tão difícil de sobreviver…Moz nos indicando para resistirmos, nos apoiando nos amigos (se tivermos algum, obviamente). Gratidão eterna para com quem também teve sua alma rejeitada por satan.

 

[Latin America Tour] Morrissey (2018)

como é a sensação de estar sozinhx, e de não fazer diferença alguma?

ah, é… exatamente isso.